Igreja Presbiteriana Independente de Vila Carrão
 Home   Institucional   Atividades   Reflexões   Estudos   Aniversários   Infantil   Fotos   Links
 


Jugo desigual no casamento

"Não vos prendais a um jugo desigual com os incrédulos; pois que sociedade tem a justiça com a injustiça? ou que comunhão tem a luz com as trevas?"

(II Coríntios 6:14)

 

Cada vez que vai à igreja, Lúcia renova sua esperança de, um dia, estar sentada ali, naquele mesmo lugar, quase "no gargarejo", acompanhada do marido. Na hora dos cânticos ou das orações em família ela sente um calafrio na espinha e uma dor no coração. Sempre olha ao redor e com um sorriso tenta esconder sua frustração ao ver casais abraçados, com filhos no colo e alegria no olhar. "Preciso me segurar para não chorar", confessa.

A história de Lúcia é bem mais comum do que se imagina. Embora a advertência do apóstolo Paulo seja milenar, são muitos os que se colocam em jugo desigual, casando-se com um incrédulo. E sofrem com isso. Para alguns, o casamento veio antes da conversão; mas o jugo é o mesmo, e a tristeza e ansiedade também.

Maria Helena passou pelas lutas de Lúcia mas alcançou a vitória. Só que depois de 25 anos. "Foram mais de duas décadas orando, mas eu não desisti, e sabia que Deus também não desistiria dele", fala. A conversão do marido ocorreu quando o testemunho falou mais alto que as palavras. "Em lugar de falar sobre a necessidade dele se entregar a Jesus, orava e buscava ser a melhor esposa do mundo", revela.

Com Isabel também foi assim. Ela se converteu depois de casada, mas nem por isso foi privada das lutas de viver por 6 anos em jugo desigual. "Foi terrível; sempre quando eu estava de saída para a igreja o inimigo jogava uma flecha e acabávamos discutindo; então comecei a, nessas horas, me trancar no banheiro e guerrear; eu dizia que não aceitava aquilo, que não iria brigar, e que meu marido pertencia a Jesus". E a conversão veio. "Mas ele precisou notar em mim que isso iria trazer benefícios, meu testemunho de vida foi fundamental", conta.

 

Testemunho, a palavra chave

A expressão genuína de uma vida com Jesus sempre foi essencial para levar o evangelho à toda a criatura, começando por aqueles que estão ao seu redor. O mesmo apóstolo Paulo escreveu "Se vivemos no Espírito, andemos também no Espírito" (Gálatas 5:25), ou seja, se você diz que é filho, servo e escolhido do Deus Altíssimo, mostre isso na prática. Mostre que isso gera transformação de vida (para melhor). Mostre que vale à pena.

Entre casais onde um dos dois não é convertido, é comum se ouvir a reclamação de que o outro (o que entregou a vida a Jesus) virou fanático, dá mais valor à igreja, está deixando a família de lado. Artimanhas demoníacas à parte, é preciso tomar cuidado. "Mas, se alguém não cuida dos seus, e especialmente dos da sua família, tem negado a fé, e é pior que um incrédulo." (I Timóteo 5:8)

Muitas vezes nós, como cristãos, queremos fazer aquilo que cabe ao Senhor e nos esquecemos que nossa única e exclusiva função é adorá-lo, de coração grato, confiando, orando e testemunhando. E isso, seja qual for a situação.

Para as mulheres, cabe aí o princípio da submissão. Devo ser submissa a um marido incrédulo? Claro que sim. Se ele proibi-la de ir à igreja, não vá; ore. Se você crê que Deus pode ouvir sua oração e mudar isso, já que Ele é o maior interessado, então não terá problemas em agir assim (um pastor falou certa vez que jamais trocaria sua família pela igreja e Deus por sua família; sendo assim, a ordem de prioridades deve ser Deus, sua família e só então a igreja).

Aos maridos, valem os mesmo princípios. Ame sua esposa incrédula, mesmo que ela não seja como aquela mulher virtuosa de Provérbios... Ame como Cristo amou a igreja, e então, seu amor destruíra todas as barreiras. "Nisto conhecerão todos que sois meus discípulos, se tiverdes amor uns aos outros." (João 13:35).

 

Dicas práticas

Se seu cônjuge fala coisas imorais, deprecia sua fé ou age de uma maneira que você sabe não ser aprovada aos olhos de Deus, o que você faz? Briga, discute, chora, aproveita para dar um sermão? Pois veja estes conselhos de Gary Oliver, especialista na área familiar e autor de livros e artigos sobre o assunto:

  • Mesmo que reprove a atitude, não confronte seu cônjuge em público;
  • Use a expressão "minhas convicções" para declarar sua crença;
  • Não dê muito valor às coisas pequenas, quando por exemplo, ele(a) conta uma piada "suja". Conte outra que não utilize os mesmo termos e procure mostrar, sem brigas, que não gosta de certas palavras ou idéias. Para os homens, em especial, uma brincadeira ou piada é uma forma de mostrar afeição, portanto, não despreze isso;
  • Procure desfrutar junto com seu parceiro(a) programas saudáveis (não religiosos) e descubram gostos em comum na hora de se divertir. Dedique um tempo à família e jamais deixe de lado sua vida sexual. Embora para as mulheres seja difícil compartilhar o físico quando ela não pode compartilhar o que agora há de mais importante em sua vida, os homens precisam do toque. E quando o marido sente que sua esposa o desfrutou, ele se sente amado, estimado e apreciado. A auto-estima, com certeza, trará bons frutos no relacionamento do casal;
  • Ore sem cessar. A oração é o que lhe trará conforto, força e sabedoria, e renovará o coração de seu marido ou esposa. "Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne. (Ezequiel 36:26);
  • Cultive seu relacionamento com Cristo. Leia a Bíblia, ore e se não puder ir à igreja, procure se reunir com um pequeno grupo onde possa compartilhar suas necessidades e orar;
  • Não desista. Confie que Deus tem o melhor para você e seu cônjuge. E lembre-se sempre da promessa: "...Crê no Senhor Jesus e serás salvo, tu e tua casa." (Atos 16:31)

Rosana Salviano